Passar para o Conteúdo Principal
siga-nos

Obra "A Queda dum Anjo"

15 Out '16
Capa da queda dum anjo mirandesa 1 980 2500
Camilo Castelo Branco paga-le díbeda al pobo mirandés

Abarcada puls 3º Ancuontros Camilianos ourganizados pula Casa de Camilo de Bila Nuoba de Famalicon i para celebrar ls 150 anhos de la publicaçon de “A Queda dun Anjo” de Camilo Castelo Branco, die 15 d’Outubre, a las 04.00h de la tarde, ne l Salon Nobre de ls Paços de l Cunceilho an Miranda de l Douro, bai a ser apersentada la traduçon para lhéngua mirandesa deste clássico de la lhiteratura pertuesa.
Calhistro Eilói de Silos i Benebides de Barbuda, l heirói de l remance i ua de las personaiges más bien andonada i más atual de l lhargo camino de la lhiteratura Camiliana i mesmo de la pertuesa, naciu na Tierra de Miranda an 1815 i, assi sendo, por cierto falarie la lhéngua de la sue tierra i de la sue gente – la Lhéngua Mirandesa.
Esta publicaçon más nun será cumo que la paga de ua díbeda, bielha de 150 anhos, que Camilo Castelo Branco, i cun el las letras pertuesas, le debien al pobo mirandés.
L’apersentaçon de la berson an lhéngua mirandesa de “A Queda dun Anjo” an Miranda de l Douro stá acumpanhada por apersentaçones an Famalicon i an Lisboua, n’Assamblé de la República.


Camilo Castelo Branco paga dívida ao povo mirandês

Inserida nos 3º Encontros Camilianos organizados pela Casa de Camilo de Vila Nova de Famalicão e para celebrar os 150 anos da publicação de “A Queda dum Anjo”, de Camilo Castelo Branco, dia 15 de outubro, pelas 16.00h, no Salão Nobre dos Paços do Concelho em Miranda do Douro, será apresentada a tradução para Língua Mirandesa deste clássico da literatura portuguesa.
Calisto Elói de Silos e Benevides de Barbuda, o herói do romance e uma das personagens mais bem conseguidas e mais atual ao longo do caminho da literatura Camiliana e mesmo da portuguesa, nasceu na Terra de Miranda em 1815 e, como tal, certamente falaria a língua da sua terra e da sua gente – a Língua Mirandesa.
Esta publicação consubstancia como que o pagamento de uma dívida, velha de 150 anos, que Camilo Castelo Branco, e com ele as letras portuguesas, tinham para com o povo de mirandês.
A apresentação da versão em Língua Mirandesa de “A Queda dum Anjo” em Miranda do Douro está acompanhada por apresentações em Famalicão e em Lisboa, na Assembleia da República.

Partilhar