Passar para o Conteúdo Principal

Volta a Portugal em Cantigas

21 Janeiro 2015

09-01-2015| SABADO GPS

A “culpada” de tudo foi a educação. Tiago Pereira, filho do mestre do cavaquinho, Júlio Pereira, cresceu a ouvir o pai e os amigos a dizerem que a música portuguesa era maltratada, a queixarem-se que não passava nas rádios nem na televisão. Aos 10 anos, no lançamento de Por Este Rio Acima, de Fausto, decidiu que teria de fazer alguma coisa.

“Não sabia o quê, mas percebi que era importante dar a conhecer aos portugueses as suas próprias raízes musicais e, ao mesmo tempo, tentar apagar o preconceito urbano, gigantesco nos anos 80, contra o folclore e tudo o que era do campo”, conta-nos -em vésperas da estreia da sua última aventura. Trata-se de O Povo Que Ainda Canta, uma série documental para a RTP 2, com 26 episódios de 26 minutos, onde percorre o País, de Norte a Sul, a falar com as suas gentes e a filmá-las a cantar, a tocar, a construir instrumentos e sobretudo a explicar por que o fazem, muitas vezes contra ventos e marés.

“É o mais surpreendente, as pessoas encontrarem obstáculos e levarem tudo à frente, pela música”, confessa o realizador, referindo o exemplo do homem que se apresentou na tropa, na vez de um mais rico, para que lhe emprestasse o acórdeão, de outro que fez greve de sexo quando a mulher o tentou impedir de ir aprender música, ou de outro ainda que, em miúdo, roubou uma harmónica numa feira e por causa disso não pregou olho toda a noite.

68 Volta a Portugal em cantigas Marca de autor “Esta é uma série de autor. Sou eu que decido cada plano, onde e como filmo as pessoas a cantar, onde e quando lhes faço entrevistas, o que é e não é relevante, em cada região”, sublinha o realizador, que passou os últimos quatro anos a registar, sem encenações, e a divulgar (na Internet, na rádio, em disco) as mais variadas expressões musicais nacionais, de matriz rural, através do projecto (e canal de vídeos online) A Música Portuguesa A Gostar Dela Própria, que já em 2010 lhe valeu um prémio Megafone.

Mogadouro, Dão Lafões, Ribatejo, Gouveia, Baixo Alentejo, Coimbra, Miranda do Douro ou Açores são alguns dos lugares por onde passa O Povo Que Ainda Canta, mostrando as vidas de quem se dedica a instrumentos específicos, como as gaitas-de-fole, a viola campaniça ou os adufes, seja a tocá-los ou a construí-los, e de quem mantém viva as tradições dos bailes de roda ou do canto polifónico, que unem gerações.

“É uma continuação do meu trabalho. Gosto de mostrar as pessoas nos seus contextos, no seu ambiente”, acrescenta Tiago, que por opção e com sentido de missão, tem descurado a vida pessoal para passar mais de 200 dias por ano a viajar, de terra em terra, a filmar as raízes da música popular portuguesa.

Partilhar